A esposa excelente

Mulher, esposa, mãe, profissional. Desempenhando muitos papéis, a esposa ainda tem a responsabilidade e o desafio de ser o equilíbrio do lar.

Após deixar o posto de “sexo frágil”, o que se vê no cotidiano é um exército de mulheres guerreiras diante de um grande esforço que começa de manhã e termina à noite. Na busca por suas conquistas pessoais, emocionais e espirituais, elas se desdobram para não perder o foco ao desempenhar suas atribuições. Pressões sociais e até a autocobrança exigem cada vez mais força e sabedoria para dar conta de todas as áreas da sua vida. Essa batalhadora, além de mãe, profissional, filha e serva, também é esposa. E nesse quesito não pode relaxar, pois o equilíbrio na vida emocional a sustenta para desempenhar todas as outras atividades.

Acordar mãe, passar o dia como profissional e terminá-lo como esposa nos braços do seu amado é o desejo da maioria.Mas administrar a vida conjugal não é fácil, requer dedicação, cooperação, sabedoria e muita paciência. As literaturas cristãs são boas fontes de ajuda e entendimento. Duas novas publicações de autoras experientes na área conjugal chegaram ao mercado com dicas preciosas para ajudar especialmente mulheres a ter um casamento equilibrado e feliz.

O primeiro, “A Mulher dos Sonhos de Seu Marido”, de Sharon Jaynes, revela o que os homens desejam das companheiras para que o amor dure a vida toda. O segundo, “Que Tipo de Esposa Eu Sou?”, da autora Linda Dillow, incentiva mulheres a se avaliarem como esposas. Sharon Jaynes conversou com homens casados que responderam a questões como: “qual é o maior problema em seu casamento?” e “o que sua mulher pode fazer para resolvê-lo?”

Com a pesquisa, ela conseguiu traçar o caráter da mulher ideal que, entre outras virtudes, é inteligente, habilidosa, econômica, trabalhadora, boa administradora do lar, amiga, fiel e conselheira.

A escritora ainda destaca sete qualidades que mais foram mencionadas pelos entrevistados quando feita a pergunta “o que faz de uma mulher a mulher de seus sonhos?”, que são: ela ora pelo marido, tem respeito por ele, revela uma amizade íntima, protege o casamento, encoraja-o e o satisfaz sexualmente. O livro tem uma proposta bem realista e trata das dificuldades da vida a dois.

O mesmo objetivo é alcançado pela escritora Linda Dillow, que relaciona as melhores e as piores situações que já vivenciou em seu casamento de 50 anos. Linda resolveu escrever essa obra ao perceber que, para muitas mulheres, o casamento dos sonhos é algo irreal. Para ela, a Igreja, na tentativa de reprimir a imoralidade sexual e o sexo inapropriado, reprimiu o sexo belo e até necessário dentro do casamento.

A rotina da criação dos filhos, tarefas no trabalho, dívidas e conflitos familiares diversos fazem o casal empurrar para o da lista de prioridades a intimidade. Aí, num certo dia, a esposa “acorda” e se pergunta onde está a intimidade do casal e como tê-la de volta. A autora explica na obra que a esposa deixa de colocar seu casamento no Altar de Deus. Por isso, propõe um estudo reflexivo para ser feito em 10 ou 12 semanas.

Missão feminina

O casamento, etapa muito importante da vida da mulher e o sonho de muitas solteiras, não foi instituído pelo ser humano. É plano de Deus muito bem claro na Bíblia. Para que ele seja próspero, jamais se deve deixar de observar os seus princípios.

É o que faz a jovem Ana Paula Lisboa Hammer Gomes, esposa do pastor José Nildo, da Igreja Batista em Vale Encantado, Vila Velha. Com quase quatro anos de casamento, ela declara que é na Palavra que encontra as orientações para ser uma boa esposa.

“O ministério pastoral é intenso, cheio de atividades e imprevistos. Tenho que ter sabedoria, equilíbrio e uma postura de cooperação para que tudo corra bem; caso contrário, surgem conflitos”.

Declarando-se realizada no casamento e grávida do segundo  lho, Ana Paula é leitora assídua de publicações cristãs sobre casamento. “Tenho muitos livros, os autores dão dicas importantes à luz da Palavra, e isso é muito precioso para minha vida e para meu lar”.

A pastora Karla Klein Gomes, da Igreja Vida Abundante, em Itapoã, Vila Velha, chama a atenção das mulheres sobre os princípios da Palavra de Deus para ser uma boa esposa. A submissão ao marido, por exemplo, assunto polemizado por muitos (Efésio 5:24), não é no sentido de anular-se, mas trata-se de uma submissão inteligente, é ter uma missão sob a missão do marido.

“Quando uma mulher honra seu marido, ela honra a Deus. O marido, assim como Cristo diante de Sua Igreja, deve ser o sacerdote do lar. Jamais Deus quer que a mulher seja anulada no lar, mesmo porque a Bíblia diz ‘Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela’ (Efésios 5.25)”, disse a pastora, casada há 14 anos com Geziel Gomes e mãe de dois filhos. Concorda com a pastora a pedagoga Adail Regina Izidoro, da Igreja Batista da Praia do Canto, casada com Eliel há 16 anos.

“A mulher que é amada e respeitada pelo marido não tem dificuldade de se submeter e honrá-lo como cabeça do lar. Se o homem a ama, como a Palavra diz, ela é feliz”, falou.
Outro importante princípio é o de sábia e edificadora (Provérbios 14:1). “A mulher quando casa passa a cumprir muitos papéis e precisa ter muito equilíbrio para lidar com tudo, por isso o valor da sabedoria.

Sempre buscando a orientação de Deus, ela conseguirá exercer suas atividades e ser feliz em harmonia com o marido e os filhos”, ressaltou a pastora. A Bíblia está recheada de mulheres que são bons exemplos para as esposas de hoje. Débora – coragem, Rute – lealdade, Ana – abnegação, Maria – fé, Maria Madalena – amor, Dorcas – boas obras… Todas elas se destacaram pela obediência a Deus.

Uma dica preciosa da pastora Karla é ter uma vida de oração. “É na oração que a mulher se fortalece para enfrentar os desafios da vida de casada. O temor do Senhor dá a ela uma nova estatura, conhecer o Senhor a fortalece em prosseguir para o alvo. A intimidade com o Senhor capacita a mulher a suportar toda a tribulação”, considerou. O amor é a essência de um casamento feliz. Quando ambos se respeitam e, juntos, exercitam o amor diariamente, está estabelecido o fundamento para o casamento. Quando o casal entrega a vida a Cristo, Deus derrama nos corações uma nova capacidade para amar, uma dimensão profunda.

“O espírito de um lar verdadeiro é paciente, benigno, não conhece ciúmes, não se irrita, nunca se ressente. É recheado dos princípios de amor descritos na Palavra, que ainda diz: ‘Agora, pois, a fé, a esperança e o amor permanecem para sempre em nossos lares, estes três, porém, o maior deles seja o amor!’”, concluiu a pastora Karla Klein.

A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.