Um talento precoce

Rede Social

“Acredito que tudo o que acontece na nossa história tem que ser por permissão de Deus”

O jovem José Antônio Viana de Hollanda ganhou o Brasil em 2011, ao participar do programa de televisão “Raul Gil”, cantando músicas cristãs de peso, como “Agnus Dei”, de Michael W. Smith. Foi com um timbre impressionante que Jotta A, como ficou mais conhecido, conquistou o público e o contrato com a Central Gospel Music, assinado no final do ano passado. Em fevereiro deste ano, ele lançou seu primeiro CD pela gravadora, “Essência”, que em poucos meses já vendeu 40 mil cópias.

Com apenas 14 anos de idade, demonstra determinação e firmeza em seus objetivos e propósitos. Certezas essas que são fruto de uma trajetória construída desde os três anos de idade, quando o menino, ouvindo a irmã e outros cantores, se encantou pela música. Pouco tempo depois, e ainda muito jovem, aos seis anos, Jotta A já cantava na igreja onde congrega, a Assembleia de Deus Belém, de Sorocaba (SP).

“Eu comecei a cantar com três anos de idade. Como, acredito, muitos cantores gospel começaram, eu também iniciei ouvindo a minha irmã e outros cantores, e fui imitando-os, mas ainda não sabia que tinha o dom. Então, comecei a cantar na minha igreja, e com seis anos de idade gravei meu primeiro CD, que era bem simples”, lembra ele.

Assim, todos mudaram-se para Sorocaba, no Estado de São Paulo. “Nos mudamos quando minha família percebeu que se tratava de algo mais sério. A partir daí eu comecei a ficar ligado para qualquer sinal de Deus, e em qualquer coisa que estava acontecendo na minha vida. Comecei a ouvir, a estudar um pouco mais a música. Com oito anos, eu tive a confirmação de que era esse mesmo o meu destino”, conta Jotta A.

Sucesso

A participação no concurso de calouros do programa de televisão foi um marco na vida de Jotta A. Apesar de conhecido por algumas pessoas, por conta dos vídeos que postava no YouTube, foi no programa “Raul Gil” que seu sucesso se confirmou. Ao vencer o concurso “Jovens Talentos Kids” de 2011, ele garantiu portas abertas em seu caminho, que o levaria – e está levando – cada vez mais próximo do sucesso. O adolescente reconhece o esforço que fez para participar do programa, mas acredita que as honras que lhe têm sido dadas só existem porque Deus assim o permite.

“Minha irmã me inscreveu no programa umas 80 vezes. Aconteceu tudo muito rápido, e inclusive eles me deram a oportunidade de escolher a música que cantei. No outro dia, meu vídeo já estava com mais de um milhão de acessos.

Acredito que tudo o que acontece na nossa história tem que ser por permissão de Deus”, comenta o jovem cantor. Jotta A continua sonhando alto. “Eu tenho um grande sonho, que é cantar no Madison Square Garden, nos Estados Unidos. Apresentar-se num lugar de tamanha projeção significa que você está bem aprovado pelo público”, diz ele.

Jotta A retorna com single “Princípio e Fim”

Sua ligação com os Estados Unidos também tem se fortalecido. Por ter cantado músicas em inglês, o jovem acabou ficando bastante conhecido entre os norte-americanos, e garante que sua repercussão lá foi até maior que no Brasil. “O pessoal gosta muito de mim, e estou com vários planos lá fora. Eu acredito que Deus ainda tem mais coisas para mim no exterior”.

Parte dessa confiança que o cantor tem de poder sonhar alto está associada ao apoio incondicional que recebe da família. Seus pais acompanham cada passo de sua carreira, ajudando Jotta A a conciliar os compromissos profissionais com a rotina normal de um adolescente, sem perder o foco. “Eu dou graças a Deus porque tenho um grande apoio familiar, tenho bons conselheiros e por causa disso estou conseguindo conciliar as coisas, seguir o caminho certo sem me desviar”, conta.

Essência

A essência de Jotta A está em sua consciência de que foi para a música e o louvor que ele nasceu. Seu empenho e dedicação ajudam-no a fazer aquilo de que gosta com técnicas mais aprimoradas e influências marcantes, que incluem tanto nomes seculares quanto do meio gospel, como Kirk Franklin, Aretha Franklin e Beyoncé. “Eu sou uma pessoa que gosta muito de produzir as coisas, pesquisar, estudar. Amo a música, vivo a música. Às vezes, pego o teclado e vou experimentando coisas novas”, revela.

Dessas experimentações, nascem algumas composições do jovem, inclusive em inglês. Duas delas fazem parte de seu disco, “Essência”. Ele explica um pouco mais sobre o álbum.
“Vários compositores me ofereceram músicas para que eu pudesse gravar, e entre elas estava uma da Daniela Araujo, chamada ‘Essência’, que fala justamente sobre motivação. O conteúdo todo desse CD fala sobre isso, que todos nós temos uma essência, um chamado”, explica Jotta A. O disco tem mudado a vida do jovem. “Uma coisa é você cantar uma versão de uma música e as pessoas gostarem e cantarem também. Outra coisa é você cantar uma música que você mesmo fez.

É uma sensação muito legal e mostra que a repercussão está sendo grande. Eu fico muito feliz”, comenta o cantor. Apesar dessa realidade conquistada rápida e gloriosamente, ele não perde de vista seus objetivos. “Não é à toa que meu nome é José. Sempre sonhei com tudo isso, mas nunca imaginei como isso ia acontecer ou a proporção que iria tomar. Mas eu sou uma pessoa muito focada. O meu objetivo vai ser sempre louvar a Deus e quando digo ‘falar sobre o amor de Deus’, estou dizendo mostrar para as pessoas que elas nunca devem desistir.  Isso é o gênero gospel, mas não tenho medo de me desviar do meu caminho, pois tenho certeza de que já nasci com essa missão”, enfatiza.

Ele também tem planos de levar o gospel adiante. “Aqui no Brasil, o gospel é visto não como um gênero, mas como um estilo. Quero abrir a mente das pessoas para que vejam a música gospel com outros olhos, não apenas uma religião, mas como uma música que possa ir além”, almeja o cantor. E, a julgar pela velocidade com que as coisas acontecem na vida de Jotta A, fica difícil duvidar de que o menino determinado logo alcance seus objetivos.

A matéria acima é uma republicação da Revista Comunhão. Fatos, comentários e opiniões contidos no texto se referem à época em que a matéria foi escrita.