Vazio afetivo

A carência afetiva produz nos seres humanos atitudes que não imaginam serem capazes. O desejo de se sentirem queridos, importantes e valiosos, resulta em esforços descabidos para pertencerem a algum grupo que lhes dê uma falsa idéia de família.

Na Cidade de Guatemala, no país de mesmo nome, cuja população chega a aproximadamente 13 milhões de pessoas, sendo 40% protestantes, vivem jovens com as mesmas aspirações de outros, inclusive os nossos. No entanto, alguns deles escolheram a forma mais violenta de sentirem-se parte de um grupo, quando resolveram integrar uma gangue.

As meninas têm duas opções para ingressarem. Devem se submeter a relação sexual com vários homens ou serem agredidas fisicamente sem reagir. Se passarem na prova, entram para o grupo. Se não, tornaram-se vítimas da própria carência.

Uma dessas meninas disse: “Achei que a gangue seria como a minha família. Acreditei que teria o amor do qual sentia falta. Mas eles me bateram. Deram-me ordens sem parar. Eles me diziam que eu tinha que roubar ou matar alguém, e eu obedecia”.

Algumas delas foram contaminadas por doenças sexualmente transmitidas. Outras foram presas ou estão internadas em centros de recuperação de viciados em drogas. E certamente, no coração delas ainda habita uma enorme carência afetiva.

Sentir-se querido sempre foi extremamente importante. Ao instituir a Igreja, ainda na formação dos apóstolos e ao longo do Novo Testamento, vemos o amor nas palavras de Jesus, na forma de tratar as pessoas. E mesmo quando foi duramente atacado, manteve de uma forma sublime o amor. Em João 13.35, Jesus declara: “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros”.

O discípulo de Jesus vive o amor, não apenas fala dele. As suas palavras comprovam suas atitudes. O discípulo de Jesus sabe que é amado e recebeu este amor do Pai quando não era em nada amável. Foi amado antes de amar, sendo sim um amor incondicional.

Viver o amor em família e na igreja nos ajuda a lidar com as nossas próprias carências e nos prepara para ajudar outros a perceberem que são amados por nós e muito mais ainda por Deus.

Compartilhe